5 verdades nada charmosas sobre Paris

Posted on

Decepção e Paris são duas palavras que parecem não caber na mesma frase, né? 

Mas se você está de malas prontas pra ver a cidade luz pela primeira vez na vida, é bom saber: Paris é simplesmente incrível, mas não é perfeita. E, convenhamos, toda grande cidade desse planeta tem seus problemas. Cidade turística em alta temporada então, nem se fala. Pra você ter uma ideia, existe até um distúrbio psicológico chamado Síndrome de Paris, que acontece princialmente com turistas japoneses. É que no Japão, a capital francesa é tão idealizada, mas tão idealizada que o povo surta de verdade com o choque de realidade quando chega lá.

Eu acho bem difícil esse siricutico acontecer com você e acho também que é quase impossível alguém voltar de Paris falando mais mal do que bem. Mas, só por precaução, dá uma lida aqui antes de ir:
o que ninguém te conta sobre Paris

 

É um dos mais eficientes do mundo, sem dúvida, e te leva pra praticamente qualquer canto da cidade. Mas é sujo, fedido de xixi, com paredes que nunca na vida viram água e sabão. De brinde,  à noite ainda  tem uma turma meio mal encarada. Se você for pra lá no esquema humilde como eu fui, provavelmente vai pegar o trem no aeroporto e depois o metrô pra chegar até o hotel. Então se prepara, porque muitas das estações têm escadarias enormes que não são rolantes. Rampa eu não vi. Elevador muito menos. Aí você olha pra sua mala de 400kg, senta no chão sujo e chora.  Quer mais? Alguns dos trens devem ter uns 789 anos de idade e, em vez de portas automáticas, têm uma travinha manual, tipo uma maçaneta estranha. Se você ficar parado sem fazer nada, a porta não abre e a sua estação fica pra trás.
pontos negativos de paris

Eu decidi conhecer Paris de última hora, entre o Natal o Ano novo, que é altíssima temporada (se é que lá realmente existe a baixa). Por causa disso, tive que me contentar com o hotel mais apresentável com vaga disponível. Pelo preço da diária, eu esperava algo pelo menos ajeitadinho. Pfffff. O esquema era carpete mofado, elevador que só cabia meia pessoa por vez e um banheiro micro com o chuveiro solto que girava, além da cortina de plástico que insistia grudar na minha bunda. Olha que luxo! Depois dessa experiência engrandecedora, fiquei sabendo que isso não é tão incomum por lá. O valor médio da diária parisiense é U$ 187 e todo mundo quer ir pra Paris o tempo todo. Então pensa: pra que o dono de um hotel sem estrelas vai se preocupar com reformas se sempre tem uma fila hóspedes que topam pagar caro pelo que ele tem a oferecer? Nesse que eu fiquei, pelo menos o pessoal era gentil. Mas se você quiser uma boa dica de lugar pra ficar, tem aqui, no Blog Rumo.

réveillon de Paris é ruim
 Sobre isso já tinham me avisado, ou melhor, me assustado. Segundo os relatos que eu ouvi, passar a virada do ano na avenida mais elegante do mundo pode ser um fiasco sem precedentes no seu histórico de viajante. É programa de índio nível hard e inclui frio de doer, bandos enormes de gente sem noção e um povo que acha legal atear fogo nos carros parados por ali. Ah! Não tem fogos na Torre Eiffel, tá? Nem show, nem nada especial. É melhor passar a virada bem longe de lá, num restaurante legal ou uma baladinha. Eu passei num pub em Montmartre e foi bem divertido. Esqueci o nome, mas vou tentar achar. É  saindo da estação Blache do metrô, quase do lado no Moulin Rouge. E, falando nele, olha aí embaixo.
Moulin Rouge é pequeno
Sabe aquela imagem grandiosa que ficou na sua cabeça depois de ver o filme da Nicole Kidman, se é que você viu? Pode esquecer. O Moulin Rouge é bonitinho, mas é inho mesmo. Vai no Google Street View e compara com o tamanho dos prédios em volta. Pra você ter uma ideia, em Uberlândia-MG tem um restaurante com um moinho que se pintar de vermelho fica igual, rs. Tá bom, nem tanto. Mas é pequeno e não impressiona. Quando eu vi pensei: “Hein? É isso?”.
filas de Paris
Quer conhecer o Louvre, o Pompidou, a Notre Dame, o Musee d’Orsay? Faz muita, mas muita questão de subir na Torre? Vá mesmo porque é bom demais. Mas leve um livro, um carregador de bateria pro seu celular, água, um lanchinho e esteja pronto para ficar em pé por horas na fila. Isso mesmo, horas. E, olha, o frio não espanta as pessoas, nem a chuva e o calor muito menos. Pra evitar morrer de tédio, vale comprar e-tickets que facilitam o acesso às atrações. Dá uma olhada aqui pra comprar ingressos pros museus e aqui pro ingresso corta-fila da Torre Eiffel. São  dicas do Conexão Paris.

 

Mas quer saber?
Vale
E agora que você já sabe dos defeitos é só sair daqui com o pé no chão e deixar a cidade te deslumbrar. Pode apostar que isso vai acontecer.
Beijo e boa viagem.
Ah! Aqui no blog tem mais posts parisienses. Olha só: