A falta de fotogenia da lua é a prova que a vida real pode ser bem mais bonita que as fotos do Instagram

Posted on

Eu tive a chance de ver a lua nascendo a 11 mil pés de altitude e quase desperdicei o momento tentando tirar fotos.

Le Voyage Dans La Lune de Georges Méliès

Era um voo vazio e tranquilo de volta pra casa depois de uma viagem puxada de trabalho. Eu estava quase pegando no sono quando a voz do comandante avisou “Aos senhores passageiros que estiverem sentados à direita da aeronave, eu recomendo que olhem pela janela a lua despontando no horizonte. Os que estiverem à esquerda, podem se levantar e mudar de lado por uns minutos para não perder esse espetáculo da natureza.”

Eu não pensei meio segundo e pulei pra poltrona vaga mais próxima. Testa na janelinha, celular na mão, câmera a postos. Eu sempre tive um caso de amor com a Lua e, desde que me vi pela primeira vez por trás das lentes da minha saudosa Cybershot, muito antes de sonhar que o Instagram pudesse existir, eu tentava fotografar aquela incrível bolota branca cintilante que teimava em sair igualzinha a uma lâmpada de poste capenga em todas as minhas fotos.

A lua agita as marés e acalma meu coração ansioso, é tema de musicas e poemas, mas não é nada-nada-nada fotogênica. Não pra quem anda por aí desprovido de um tripé e uma lente telescópica acoplada a uma câmera ultraprosissional. E eu nunca tinha conseguido aceitar esse fato, até embarcar naquele voo.

Assim que entendi o aviso do comandante, entrei numa espécie de desespero fotográfico. Na noite escura, não dava pra entender onde acabava o chão e começava o céu, até que um crescente luminoso começou a surgir, devagarzinho, pra depois se descolar da linha do horizonte e pratear tudo em volta.  O comandante estava certo. Era um espetáculo e ele acontecia bem na minha frente, enquanto meu dedo apertava malucamente o botão de disparo da câmera e eu me contorcia na poltrona, tentando me livrar dos reflexos das luzes da cabine na janela. Foi só aí que eu entendi. A lua de verdade estava do lado de fora e era pela janela que eu deveria estar olhando, não pela tela do meu celular.

 

Talvez você não tenha percebido, mas aposto que você já viveu algo parecido. E espero que você também entenda:

Não adianta tentar registar em pixels a lembrança de um momento que a gente não viveu de verdade.

É, eu sei. É tanta vontade  de compartilhar com quem está longe as coisas incríveis que aparecem pelo caminho que a gente nem levanta os olhos pra que enxergar quem está perto e acaba colocando uma barreira entre a gente e a vida. É uma telinha bem pequena, mas é o suficiente pra bloquear a visão de tudo o que está em volta.

Porque não é só o click. É a edição, a escolha do filtro perfeito, os pequenos retoques e, principalmente, a espera das curtidas de quem você imagina que gostaria de estar ali ao seu lado ou até no seu lugar.

Mas quem é que está – de verdade – no seu lugar? Você que não é.

Você não está vivendo o presente. Está antecipando uma atenção futura por conta do registro de um momento que você nem aproveitou e já virou passado.

Dia desses, eu li que nas Maldivas existe um resort que oferece um serviço de mordomo de Instagram. Sim, um cavalheiro de fino trato e talento fotográfico que guia os hóspedes por trilhas exclusivas que levam às locações mais curtíveis e comentáveis da propriedade. O Insta Butler dirige as poses, encontra a luz perfeita e usa até drone pra capturar cenas tão deslumbrantes quanto forjadas. Eu sei, eu sei que pra quem ganha a vida vendendo imagem, esse é um investimento que faz  sentido e vale  a pena. O resultado dessa trabalheira toda é sim de tirar o fôlego e eleva o senso estético de todo mudo que gosta de fotografia. Mas é pra ser inspiração, não perturbação. Se a busca pela foto perfeita anda ditando as regras das suas viagens, atrapalhando seu descanso, seu tempo ao lado dos seus amigos e da sua família, pode apostar que você passou do ponto.

Eu imagino que fotografar seja grande parte da diversão pra você. Pra mim também é. Mas depois de aceitar que a lua no meu celular nunca vai ser tão linda quando a lua ao vivo, eu percebi que é melhor me entregar ao momento do que perder tempo demais teimando em capturá-lo. É melhor me sentir parte do lugar do que tentar me enquadrar perfeitamente na regra dos terços.

É melhor ter no álbum uma única foto tosquinha, mas que traga uma lembrança boa de verdade, do que registrar a imagem perfeita de um momento vazio.

  • Share
  • Nicole Tiktin

    Muito bom o texto Gabi, e também uma bela reflexão! Sou o tipo de pessoa que quero registrar tudo e me irrita muito o fato de não sair na foto do jeito que estou vendo… e com isso, vão milhões de tentativas e no final, acabando não curtindo o momento tanto quanto deveria!

  • “Se a busca pela foto perfeita anda ditando as regras das suas viagens, atrapalhando seu descanso, seu tempo ao lado dos seus amigos e da sua família, pode apostar que você passou do ponto.” Gente, amei demais esse texto. Acontece com quase todo mundo que tem redes sociais de trabalho. Eu tenho tentado me policiar, porque mesmo tirando mil fotos quando volto ainda acho que tá faltando essa e aquela. O importante é o momento mesmo.

  • Bela reflexão! Não foi só você que quase desperdiçou um momento assim tirando fotos. Já cai nessa besteira de querer fotografar a lua que estava linda ao vivo, mas nada mais do que uma bolinha de pingue-pongue através das lentes. Hoje em dia tento buscar mais qualidade nas fotos e menos quantidade, aproveitar mais o momento da viagem, da vida…

  • Bela reflexão! Não foi só você que quase desperdiçou um momento assim tirando fotos. Já cai nessa besteira de querer fotografar a lua que estava linda ao vivo, mas nada mais do que uma bolinha de pingue-pongue através das lentes. Hoje em dia tento buscar mais qualidade nas fotos e menos quantidade, aproveitar mais o momento da viagem, da vida..

  • Anna Claudia Rodrigues

    Bela reflexão! Não foi só você que quase desperdiçou um momento assim tirando fotos. Já cai nessa besteira de querer fotografar a lua que estava linda ao vivo, mas nada mais do que uma bolinha de pingue-pongue através das lentes. Hoje em dia tento buscar mais qualidade nas fotos e menos quantidade, aproveitar mais o momento da viagem, da vida…

  • Tiago Belmont

    Ótimo texto e vale muito para refletir sobre isso, pois vejo que a grande maioria das pessoas troca a experiência rela no lugar por uma busca de demonstrar como ela foi pelas fotos e “lives”…

  • Thiago Carvalho

    Gabriela, sempre um prazer ler os seus posts! Não poderia concordar mais com suas reflexões. A maior lembrança está nas nossas memórias!

  • Gabriela Rodrigues Cardoso

    Não conhecia esse Insta Butler, achei uma “sacada” bem legal do resort…já que no momento a maioria das pessoas se preocupam mais em postar foto no Instagram do que viver. Mas concordo com você na sua reflexão, curtir o momento é mais importante do que passar horas só fotografando, isso é algo que já estou tentando mudar um pouco no meu ritmo de viagem, deixo um momento para curtir o lugar e outro momento pra fotografar, até porque amo fotografia e isso é um prazer também pra mim.

  • Renata Telles

    eu simplesmente AMEI esse post! meninaaa eu já passei por isso, clicava tantooo que depois pensava: poxa, mal curti o momento. vc esta certissima, a gente pode fotografar? clarooo, mas precisamos aproveitar, viver, ter essa lembrança na mente! e como assimmmm um insta butler? hahahaha chorei!!! esse mundo realmente está doidoo!!

  • Raquel Alice

    Olha, já tinha um bom tempo que não lia um post com tantas verdades. Realmente, as vezes, deixamos de curtir um momento para registra-lo e futuramente mostrarmos para outras pessoas. Escolhemos o lugar perfeito, para a foto perfeita, com o objetivo de “ganhar muitos likes”, mas na realidade você nem aproveitou de verdade aquele momento. Ótima reflexão!

  • KEUL FORTES

    Muito bom refletirmos sobre essas verdades. Quantas vezes deixamos o momento para tirar uma foto? É preciso saber viver e aproveitar os momentos que nenhuma foto consegue captar! Adorei o texto. Meus parabéns!

  • Sthefania Memelli

    “Se a busca pela foto perfeita anda ditando as regras das suas viagens, atrapalhando seu descanso, seu tempo ao lado dos seus amigos e da sua família, pode apostar que você passou do ponto.” Gente, amei demais esse texto. Acontece com quase todo mundo que tem redes sociais de trabalho. Eu tenho tentado me policiar, porque mesmo tirando mil fotos quando volto ainda acho que tá faltando essa e aquela. O importante é o momento mesmo.

  • Marilisa Domingues

    Ótima Reflexão! Confesso que muitas vezes perdi lindos momentos por uma linda foto. Acho que devemos aproveitar o que realmente estamos vivendo, chega uma hora que descanso grita mais alto rs.. e a fotos fica em segundo plano. bjs

  • Livia Melo

    Putz Gabi, sua reflexão cabe super nos dias de hoje, onde muitas vezes as pessoas não sentem, apenas querem passar que sentem. Preocupam-se mais com a foto perfeita do que com o momento perfeito ou com a memória perfeita. Amei!

  • Viviane Oliveira

    Entendo bem essa sua reflexão rs.. Fiquei supeeeer frustrada quando tentei registrar a lindaaa lua cheia que presenciei em Maragogi e para a minha surpresa, ela se recusou a sair majestosa na foto. Mas tudo bem, guardo aquele luar na memória, como o melhor de todos.