Playlist Italiana

Posted on

Quando eu penso em viagem pra Itália, os filminhos que passam pela minha cabeça vêm sempre acompanhados de uma bela trilha sonora.

Mas confesso que, na hora de montar essa playlist, descobri que conhecia pouca coisa além do clichê de música italiana. Pra resolver esse problema, fiz uma boa pesquisa e pentelhei  amigos que entendem de música. O resultado é esta lista aí embaixo, que ficou maior do que eu esperava porque eu não consegui desapegar dos meus clichês favoritos. De qualquer jeito,  espero que ela sirva de inspiração pra você planejar sua viagem e/ou te deixar com ainda mais vontade de perambular pela Itália.

Pra ouvir as músicas, é só clicar nas fotos que a janela do Youtube se abre.

Dean Martin That's Amore

Já falei aqui que eu gosto de música de vó, né? That’s Amore do Dean Martin pra mim é uma das campeãs de todos os tempos. Ela foi gravada em 1952 e faz parte da trilha de um filme chamado The Caddy, estrelado pelo cantor ao lado do figura Jerry Lewis. That’s Amore se tornou tão icônica que ganhou até clipe dos Simpsons (pra ver, é só clicar aqui).  Eu ainda não conheço Napoli, mas já deixo registrado que não morro sem conhecer, só por causa dessa música. E das praias. E da pizza. E do gelato.

 

Selton

Esses moços aí são brasileiros, mas moram em Milão e estão ficando famosos por lá, cantando em português e em italiano.  Como a ideia aqui é juntar músicas com cara de Itália, separei a Piccola Sbronza que é felizona e cantada no idioma de nostri fratelli italiani. Se quiser conhecer mais do Selton, tem no Move That Jukebox.

 

Arisa

Essa moça eu descobri nem lembro como.  Sincerità é de 2009 e foi o single de estreia da Arisa.  A letra é toda romance e doçura, como a voz dela. Boa trilha pra um passeio por Roma de manhãzinha.

 

Eros1

Esse eu escuto desde criança porque minha mãe é fãzoca. Algumas músicas dele já fizeram muito sucesso no Brasil nos anos 90. Então, se você tem idade suficiente pra isso, é possível que conheça, mesmo que não esteja se lembrando agora (pra confirmar, clique aqui e aqui). Eu bem desconfio que o Eros Ramazzotti é o Fábio Jr da Itália, mas adoro e canto de olho fechado, com a mão no coração.  Ouvi tocar na rádio numa padaria agora em Roma e mal contive a emoção. É…

 

Os Três Tenores

O Sole Mio não é uma música. É uma instituição italiana.  Pelos menos aos meus olhos/ouvidos gringos é assim. Ela foi escrita em 1898, gravada pela primeira vez em por Giuseppe Anselmi em 1907, pensa. De lá pra cá apareceram muitas e muitas versões, entre elas a It’s Now or Never, do Elvis. Mas a minha preferida é essa com  os vozeirões de Luciano Pavarotti, Plácido Domingos e José Carreras. Os Três Tenores também têm uma versão sensacional pra aria mais famosa da ópera Rigoletto: La Donna e Mobile. 

 

Francesca Michielin

Agora, um pouco de sofrimento adolescente pra quebrar o embalo de velharada alegre que tá essa lista.  Mas não se deixe enganar pela carinha fofa da bambina. Essa menina sabe cantar. Com a música Distratto,  Francesca Micheilin foi a vencedora da versão italiana do XFactor 2012 e ganhou um contrato com a Sony.  Pelo jeito está indo bem, porque sua nova música de trabalho é um dos hits nas rádios da Itália em 2013.

 

VolareUoô

Nel blu dipinto di blu significa no céu pintado de azul e é o nome original da famosa Volare uoô cantare uoooô. Ela foi composta e cantada por Domenico Modugno num festival italiano da canção em 1958. Daí virou número 1 na Billboard e foi a única música de letra não-inglesa que ganhou um Grammy até hoje.

 

Enio Morricone

Pra fechar, o senhor maestro Ennio Morricone. Ele é responsável pela trilha de vários filmes de bang bang como Once Upon a Time in the West e The Good, The Bad and The Ugly (clica aqui pra ouvir porque é muito icônica). Além disso, o currículo do Ennio tem Lolita, Os Intocáveis, Bastardos Inglórios e outros mais. Mas ele está aqui, encerrando este post por causa da trilha de Cinema Paradiso. <3

Fim. Espero que tenha gostado da playlist italiana. Pra ouvir a parisiense e a turca, é só clicar aqui e aqui.

Agradecimento especial ao Mario David, ao Neto Rodrigues,  ao Google e à Wikipédia.